Notícias

Acesse o conteúdo disponível da área de Notícias:

Últimas Notícias

Na trilha da solidariedade!

Especialista compartilha a experiência e os caminhos para o exercício do voluntariado

No Dia Nacional do Voluntariado (28 de agosto), o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) destaca a importância do trabalho desempenhado pelos voluntários. Muitos Cirurgiões-Dentistas atuam nessa frente junto a ONGs espalhadas pelo Brasil afora. Mas, afinal, o que é preciso para se tornar voluntário?

O Cirurgião-Dentista e presidente da Câmara Técnica de Terceiro Setor do CROSP, Dr. Fernando Augusto Aparecido dos Santos, compartilha a experiência do voluntariado e fornece algumas orientações para profissionais da Odontologia e para o público em geral que tem vontade de atuar e transformar realidades.

O especialista relata que, atualmente, um grupo notável de profissionais da Odontologia está deixando sua marca não apenas nos sorrisos que cuidadosamente moldam, mas também nas vidas que são transformadas por meio do voluntariado. “Em um mundo que, muitas vezes, se move rapidamente demais, esses heróis anônimos da saúde bucal estão canalizando seu conhecimento e compaixão para fazer uma diferença palpável, abrindo portas para sorrisos mais saudáveis e vidas mais felizes”, celebra o Cirurgião-Dentista.

O voluntariado sempre exerceu um papel importante na construção de comunidades mais igualitárias e resilientes. Dr. Fernando explica que, enquanto muitos setores têm desempenhado papéis significativos, os profissionais da Odontologia têm emergido como uma força motriz no campo do voluntariado. Ele detalha que profissionais altamente qualificados têm dedicado seu tempo e habilidades para colaborar como voluntários de Organizações Não Governamentais (ONGs), levando cuidados odontológicos até populações carentes e negligenciadas.

“A importância dessa contribuição ultrapassa o simples cuidado com os dentes. Afinal, a saúde bucal está ligada diretamente à saúde geral e ao bem-estar. Muitas doenças crônicas, como diabetes e doenças cardíacas, estão relacionadas à falta de uma boa saúde bucal. Ao oferecer serviços de Odontologia preventiva e corretiva, esses voluntários estão melhorando a qualidade de vida das pessoas e prevenindo problemas de saúde a longo prazo”, pontua.

 

Múltiplas ações

O Cirurgião-Dentista conta que o trabalho voluntário desempenhado vai desde os atendimentos até programas educativos e campanhas de conscientização para a população em situação de vulnerabilidade social. Essas iniciativas, de acordo com ele, não apenas fornecem tratamento, mas também capacitam as comunidades com o conhecimento necessário para manter a saúde bucal. “Através da educação sobre higiene oral adequada e práticas de autocuidado, esses esforços estão criando um impacto duradouro e sustentável”, salienta.

A atuação dos profissionais da Odontologia nas ONGs também serve como um lembrete inspirador do poder da colaboração interdisciplinar. Médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde muitas vezes se juntam a essas missões, abordando as complexas necessidades de saúde das comunidades em questão.

Em um mundo onde a desigualdade persiste, onde acesso à saúde é um privilégio, os profissionais da Odontologia que dedicam seu tempo ao voluntariado estão se tornando faróis de esperança e solidariedade. Eles não apenas cuidam dos sorrisos das pessoas, mas também ajudam a construir um futuro mais saudável, promissor e próspero para todos. “Neste momento em que a empatia e o cuidado são mais necessários do que nunca, a história dos dentistas voluntários e seu compromisso com a saúde e o bem-estar global nos lembra que, independentemente da área de atuação, todos temos a capacidade de fazer uma enorme diferença quando estendemos a mão para ajudar o próximo”, avalia o especialista.

Basta querer!

O papel dos voluntários, que acabam se tornando heróis anônimos para uma parcela da sociedade, é algo antigo, mas hoje é evidente a necessidade dessas pessoas na construção de um mundo mais igualitário. E, para iniciar nessa jornada, Dr. Fernando explica que não é preciso nada extraordinário – ou seja, está ao alcance de todos.

Contudo, além da vontade de ajudar, o exercício do voluntariado requer uma série de elementos importantes para garantir uma experiência segura e positiva tanto para os voluntários quanto para os beneficiários. Para isso, algumas orientações, de acordo com o Cirurgião-Dentista, podem ser de grande ajuda, especialmente para aqueles que querem começar o voluntariado. Dentre elas:          

·      

Identificar quais são suas habilidades, interesses e áreas de conhecimento;

·

        

Ter disponibilidade de tempo para se dedicar de forma consistente;

·

        

Ter comprometimento com o projeto e ter respeito e empatia.

No mais, essa jornada é repleta de oportunidades de treinamentos e capacitações para se tornar um profissional, voluntário e ser humano melhor.

Por fim, é importante entender que existem diversas maneiras de se tornar um voluntário na área odontológica. Algumas organizações, segundo o Dr. Fernando, dão a possibilidade de um voluntário oferecer o tratamento odontológico no próprio consultório, enquanto outras requerem que o voluntário tenha que se deslocar para outro bairro, cidade, estado ou até para outros países.

“Pesquise e escolha uma organização confiável e respeitável, identifique suas habilidades e interesses, respeite a cultura, valores e tradições das comunidades que serão atendidas e você estará pronto para causar uma transformação imensa na vida de outras pessoas. Pratique o voluntariado e ajude a salvar vidas através da odontologia”, incentiva o Dr. Fernando.

Achou interessante esta notícia? Compartilhe!
Facebook
WhatsApp
Email
Telegram
CROSP
Enviar para o WhatsApp

Imprensa

Contatos:

Telefones:
(11) 3549-5550 / (11) 99693-6834