Notícias

Acesse o conteúdo disponível da área de Notícias:

Últimas Notícias

Dia Mundial da Luta Contra as Hepatites Virais

Atendimento odontológico diante da doença deve ser humanizado e seguro 

As hepatites virais são vistas como um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Por isso, no Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais (28 de julho) o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) destaca o atendimento odontológico direcionado a pacientes acometidos pela doença. As hepatites virais são infecções que atingem o fígado, causando alterações leves, moderadas ou graves.

De acordo com o Ministério da Saúde, o impacto dessas infecções acarreta em aproximadamente 1,4 milhões de mortes anualmente no mundo, seja por infecção aguda, câncer hepático, ou cirrose associada às hepatites. Os sintomas das hepatites virais podem variar de acordo com o tipo (A, B, C, D e E). Pacientes portadores da hepatite B e C geralmente não apresentam sintomas, contudo, há relatos de fatores como cansaço, febre, mal-estar, enjoo, vômitos, dor abdominal, urina escura, fezes claras, além da pele e olhos amarelados (sintomas esses, mais comuns nas hepatites A, D e E) todos diretamente ligados às funções que o fígado tem no nosso corpo.

No Brasil, nos últimos 10 anos, foram diagnosticados mais de 42 mil casos de hepatite, nos quais, na maioria das vezes, os infectados são assintomáticos. O atendimento odontológico deve fazer parte dos cuidados de saúde para estes indivíduos. Nesse contexto, o Cirurgião-Dentista e presidente da Câmara Técnica de Patologia do CROSP, Dr. Fabio Luiz Coracin, explica que a anamnese é fundamental. “A anamnese faz parte do exame clínico de qualquer paciente que tenhamos que cuidar. É o momento em que o profissional vai buscar as informações sobre a saúde geral e fazer o julgamento propedêutico (conjunto de técnicas utilizadas para a elaboração de uma base a partir da qual o Cirurgião-Dentista se orienta para chegar a um diagnóstico) diante dos achados para chegar a um momento de tomada de decisão da melhor forma de atender com segurança cada um dos indivíduos”.

As hepatites virais são classificadas em A, B, C, D (Delta) e E. O conhecimento acerca dos tipos de hepatites e sobre a transmissão de doenças nos consultórios odontológicos contribui para que os Cirurgiões-Dentistas realizem os procedimentos odontológicos de maneira mais segura, incorporando à sua rotina de trabalho as particularidades em relação às condutas clínicas perante os portadores da doença. “O que muda nos tipos da doença é a forma de transmissão e o desenvolvimento da doença, que devemos pensar na forma aguda ou crônica. Os vírus A e E são capazes de desenvolver hepatite na forma aguda, enquanto os vírus B, C e D têm potencial para desenvolver formas crônicas de hepatite”.

 

Segundo o Cirurgião-Dentista, é recomendável que o tratamento odontológico nos casos de hepatites agudas seja feito após a recuperação clínica e laboratorial dos indivíduos, focando, principalmente, nos distúrbios de coagulação. Ele explica, ainda, que, nos casos de hepatites crônicas, os distúrbios de coagulação também fazem parte do raciocínio propedêutico e devido à lesão do fígado, comum nestas condições, os exames de função do fígado também devem ser pensados.

  

Tratamento humanizado e atendimento seguro

 

No consultório, o atendimento ao paciente com diagnóstico de hepatite (desde o acolhimento até o final da conduta), seja ela a curto prazo ou não, deve ocorrer de forma humanizada. De acordo com o especialista, a formação da Odontologia tem dado pouco enfoque no tratamento de pessoas com algum comprometimento sistêmico, o que pede ao profissional formado que se prepare para o acolhimento destas pessoas e de igual forma, consiga discernir que o tratamento odontológico deve ser o mesmo, incluindo os cuidados necessários contra a doença na sua respectiva fase de evolução.

Dr. Fabio pontua também que, como em qualquer situação clínica no ambiente odontológico, deste ou de qualquer outro paciente não portador de doença infecciosa, os protocolos gerais de biossegurança devem ser seguidos rigorosamente. Ele acrescenta que, adicionalmente, a formação de aerossóis deve ser minimizada. O uso dos equipamentos de proteção individual (EPIs) deve ser sempre feito com robustez para que possa haver proteção do profissional e do paciente. “Também como medida de segurança, deve-se evitar o reencapamento de agulhas utilizando as mãos e estimular o uso de pinças e afastadores para auxiliar a sutura, evitando-se segurar a agulha de sutura com a mão”.

A Hepatite B é apontada como a maior causa de mortalidade em consultórios. Segundo Dr. Fabio, na transmissão parenteral/horizontal a hepatite B decorre do contato com fluidos orgânicos contendo o vírus, de modo especial o sangue (maior potencial de transmissibilidade) e a saliva (menor potencial de transmissibilidade). “Abrem-se, assim, diversas possibilidades de transmissão através dos procedimentos médico-odontológicos (tais como cirurgias, raspagem e alisamento radicular) – o que explica, ao menos parcialmente, a vasta distribuição do vírus da hepatite B em diversas partes do mundo, bem como a existência de muitos e diferentes grupos de pessoas sob maior risco de adquirir a infecção”. Por este motivo, o especialista reforça que a utilização das normas de biossegurança e as barreiras protetoras devem ser bastante estimuladas na prática da Odontologia.

A contaminação cruzada é uma outra questão que permeia os consultórios, inclusive os odontológicos. De acordo com o Dr. Fabio Luiz, a contaminação cruzada ainda é o maior medo dos profissionais e pacientes. Porém, cada profissional deve empregar os meios de biossegurança e mecanismos de minimizar a contaminação cruzada. Ele lembra que o acesso à saúde é universal no Brasil e os profissionais devem estar preparados para atender qualquer pessoa.

 

Papel preventivo

Na opinião do Dr. Fabio, além de atuar no atendimento odontológico do paciente com hepatite, o Cirurgião-Dentista pode ir além da esfera do tratamento, agindo de forma preventiva. Neste sentido, o especialista enxerga em programas como o da Saúde da Família um celeiro de oportunidades, pois, segundo ele, esses programas são organizados com equipes responsáveis por desenvolver ações comuns, incluindo planejamento, busca ativa e ações específicas, devendo-se preservar as particularidades de seus núcleos de atuação e competência. “Acredito que o Cirurgião-Dentista tem a possibilidade de criar um espaço de práticas e relações a serem construídas para a reorientação do processo de trabalho e para a própria atuação da saúde bucal, no âmbito dos serviços de saúde. Além disso, o papel do Cirurgião-Dentista é de orientar e promover a saúde, voltados para o controle da exposição aos fatores de risco”.



Por fim, Dr. Fabio destaca que, no que se refere às contra indicações relacionadas aos eventuais procedimentos de Odontologia, todos eles devem ser planejados para cada paciente, especialmente em relação aos portadores de hepatite. “Como já foi mencionado, cada forma de hepatite tem um comprometimento, agudo ou crônico. Para cada procedimento deverão ser avaliados a condição clínica dos pacientes, os exames laboratoriais relacionados com a hepatite e, também, a necessidade e oportunidade destes procedimentos”, finaliza ele.

Achou interessante esta notícia? Compartilhe!
Facebook
WhatsApp
Email
Telegram
CROSP
Enviar para o WhatsApp

Imprensa

Contatos:

Telefones:
(11) 3549-5550 / (11) 99693-6834