Câmaras Técnicas

Acesse o conteúdo disponível da área de Câmaras Técnicas:

Câmaras Técnicas e Comissões

As Câmaras Técnicas têm função consultiva, de caráter técnico-científico e de assessoramento direto ao Presidente e à Diretoria Executiva do CROSP sobre assuntos científicos relacionados às suas respectivas especialidades odontológicas. Também elaboram e auxiliam na criação e aprovação de folders e outros materiais de divulgação sobre as ações realizadas nas diversas especialidades/habilitações da Odontologia, além de organizar e promover conferências e fóruns sobre o tema de cada área, entre outros assuntos.

Odontologia Baseada em Evidências - Apresentação


A portaria CROSP 0274/2023, instituiu o Grupo de Trabalho de Odontologia Baseada em Evidências (GTOBE/CROSP) em 01/08/2023, com a intencionalidade de contribuir para a inclusão da Odontologia Nacional, dentro do novo paradigma global das Evidências Científicas.

 

2. Por que Odontologia Baseada em Evidências – OBE?

Globalmente, a exemplo daquilo que aconteceu com todas as áreas do conhecimento contemporâneo que adentraram no novo paradigma científico do século 21, às Evidências Científicas, a OBEpode ser considerada uma especialidade inédita na Odontologia Nacional. Porém característica bastante particular, OBE não possui um ambulatório clínico específico, mas pode contribuir para o aperfeiçoamento de todas as práticas e procedimentos clínicos nas especialidades odontológicas convencionais, fornecendo o chamado respaldo de Evidências Científicas – ECs.  

Dotada de estratégias metodológicas próprias, OBE pode auxiliar no aprimoramento de recursos tecnológicos, na busca de fatores de riscos latentes, na arbitragem de impasses, ou na resolução de dilemas, por meio de soluções inovadoras e ferramentas específicas de Evidências Científicas, que levam ao refinamento do raciocínio do clínico em um ambiente de incertezas.

Isto se dá por meio de diferentes formas, como as consultas às diferentes fontes de informação, bases de dados eletrônicas específicas de ECs produzidas na COCHRANE LIBRARY, rounds de perguntas clínicas, treinamentos específicos baseados em ensaios clínicos randomizados, e outras fontes de análise para o desenvolvimento do raciocínio crítico.

Esses dados visam aferir os níveis de efetividade, eficiência e segurança dos recursos terapêuticos rotineiramente utilizados, e buscam um aprimoramento constante, por meio de orientações que apresentam elevados graus de confiabilidade para embasar tomadas de decisões clínicas, na medida em que são resultados de auditorias técnicas desenvolvidas por cientistas clínicos das principais universidades do mundo, respaldados pela Organização Mundial da Saúde.

Tais auditorias geram rotineiramente duas grandes modalidades de produtos, as revisões sistemáticas quantitativas e metanálises  - complexos cálculos estatísticos de estudos de alto rigor científico, e executadas para se chegar ao cerne dos problemas clínicos, enquanto que conteúdos translacionais apontam para soluções inovadoras para os problemas clínicos e se traduzem por recomendações clínicas mais pragmáticas do que tem sido observados no mundo real, quando essa metodologia não é aplicada.

Em suma, Odontologia Baseada em Evidências não é uma especialidade hands-on, mas sim uma especialidade eminentemente MINDS-ON, e contribui de maneira importante, para um aumento das margens de assertividade nas intervenções odontológicas em geral, por meio do restabelecimento dos altos níveis de saúde oral e sistêmica.

A despeito da relevância, e apesar da produção científica global em Odontologia Baseada em Evidências - OBE ter se multiplicado por dez na última década, a cifra ainda não é suficiente para suprir as demandas, e abre uma importante janela de oportunidades imediatas para um grande número de profissionais aprofundem seus estudos na área, em especial os ligados ao ensino acadêmico formal da profissão. 

Até 2022, somente 4% da produção científica global total especifica de Odontologia possuía respaldo de Odontologia Baseada em Evidências - OBE para o manejo das desordens primárias da cavidade oral. Certamente, tal volume de produção científica precisa crescer rapidamente, na medida em que existem muitos relatos de repercussões secundárias e eventos adversos decorrentes das implicações sistêmicas decorrentes de procedimentos odontológicos.

Todavia, os impasses surgidos podem ser minimizados, pela aplicação dos recursos das bases eletrônicas de dados de evidências, de outras áreas da Saúde, utilizando-se para consulta de atualização, os próprios meios das ECs, como os princípios da Especificidade, Sensibilidade, Necessidade e Oportunidade, onde é possível buscar informações relevantes adicionais ligadas aos conteúdos conceituais, atitudinais e procedimentais, existentes em revisões sistemáticas e metanálises, desenvolvidas em diferentes especialidades médicas, que mantém estreitas correlações com à Odontologia, tais como a Dermatologia, a Gastroenterologia, a Cardiologia, e a Neurologia entre outras, em um item específico chamado de Plain Language Summary. Tais especialidades possuem um nível de produção de Evidências Científicas até vinte vezes maior do que a produção de ECs em Odontologia, e já a muito tempo estudam, o impacto da Saúde Oral sobre a Saúde Sistêmica em simetria reversa (vice-versa) .

Dessa forma, torna-se possível auxiliar o profissional nas tomadas de decisões clínicas mais assertivas, uma vez que é sabido, que a aplicabilidade prática da Odontologia Baseada em Evidências - OBE, ainda não faz parte de maneira sistemática para a maioria das atuações clínicas cotidianas e rotineiras em Odontologia no Brasil.

Os resultados das pesquisas em ECs vão muito além das antigas relações CAUSA / EFEITO, do ultrapassado paradigma da Lógica Cartesiana. Os resultados das pesquisas da Odontologia Baseada em Evidências - OBE, ao contrário, por serem organizados dentro da Lógica Paraconsistente de Heisenberg, seus conhecimentos naturalmente se desdobram holograficamente em implicações para a prática, que produzem repercussões favoráveis na saúde sistêmica do indivíduo.

Essas repercussões favoráveis geram nos pacientes de doenças crônico degenerativas, um aumento do intervalo entre crises, uma redução de doses de medicamentos de uso continuado para manejo, e produz em aumento de sensação de Bem Estar, aumento dos níveis de Saúde Mental e melhoria de Qualidade de Vida, além de fazer com que o indivíduo se sinta mais acolhido, atenciosa e carinhosamente atendido, cuidado, tratado e acima de tudo respeitado.

Assim, as próprias ECs, desde muitos anos já apontam, que a adoção deste paradigma melhorou exponencialmente a qualidade das relações paciente / profissional, reduziu de maneira importante a prevalência de conflitos de interesses, com redução do número de processos éticos, que requerem Mediação e Arbitragem em todas as ciências da Saúde.

Mesmo não sendo uma Instituição voltada ao ensino formal acadêmico, o CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO - CROSP, ao reconhecer a relevância das ECs, com a criação do GTOBE, demonstrou a intencionalidade de contribuir com a Odontologia Nacional, para a democratização ao acesso aos conhecimentos específicos da expertise, para que tais saberes possam ser convertidos, em ações clínicas pragmáticas, e que possam atingir o maior número de profissionais, no mais curto espaço de tempo, por quem seja de direito, como às Faculdades de Odontologia, às Associações de Classes, etc.

 

3. Estratégias de divulgação das Evidências Científicas desenvolvidas pelo GTOBE para imediata disponibilização no site Institucional do CROSP:

Em diversas áreas da saúde, devido à pandemia, o ritmo de tomadas de decisões clínicas evoluiu vertiginosamente, a partir de uma condição local ou regional para uma situação global, o que vêm forçando, cada profissional, ao planejamento e implementação de um programa individualizado de educação continuada para uma atualização permanente e em serviço, inclusive dentro dos conhecimentos da OBE.

Desta forma, com o intuito de contribuir para tais demandas, as atividades preliminares do GTOBE / CROSP, foram planejadas, no sentido de contribuir, para o aprimoramento técnico-científico permanente e suplementar para todos profissionais, da Odontologia, mesmo que seja por meio da chamada, aquisição eventual de conhecimento, como o presente texto, que já trás em suas entrelinhas a intenção de promover uma comunicação efetiva para uma prática clínica mais assertiva.

Para tanto, dentro da OBE como especialidade, já possui como uma disciplina a SAÚDE ORAL E SISTÊMICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS (SOSBE), a qual por sua vez, desenvolveu duas ferramentas práticas para promover o desenvolvimento do raciocínio crítico nos cirurgiões dentistas, o EPIR e o PROTOCOLO SOSBE, os quais serão detalhados em documento anexo, e que podem ser utilizadas de forma imediata, para auxiliar na tomada de decisão clínica e assim, podem gerar benefícios imediatos nos consultórios odontológicos, pela simples adequação de suas práticas diárias, o que representa uma ajuda suplementar aos profissionais no desempenho de suas funções cotidianas, por Boas Práticas Clínicas.

SOSBE – SAÚDE ORAL E SISTÊMICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS uma disciplina de Odontologia Baseada em Evidências. Organizada em 2012 no Instituto da Pele / Departamento de Dermatologia da EPM / UNIFESP, São Paulo / Brasil, aplicado em regime de co-intervenção aos tratamentos convencionais das dermatoses inflamatórias, por meio da sua ferramenta, o chamado PROTOCOLO SOSBE- PS, um inventário para levantamento situacional do status da saúde do paciente, de quatro domínios, (Histórico Médico, Histórico Farmacológico, Histórico Loco-regional Oral, Histórico Neuro-Psíquico),  e possibilita um estadiamento  mais preciso possível do paciente na Escala ASA, com elevado grau de acurácia. A partir daí, procede-se a seleção do recurso terapêutico, efetivo, eficiente e seguro, capaz de produzir desfechso assertivos.  OS é uma entrevista motivacional presencial, dentro dos pressupostos de três áreas, Neurociências Aplicadas,  Medicina Interna e Terapêutica e Odontologia Baseada em Evidências.

Por outro lado, a grande relevância para o desenvolvimento do chamado Pensamento Crítico, é de capacitar os profissionais a analisar criticamente, os conteúdos, que chegam até eles,  frequentemente por meio de conteúdos “pseudo-científicos” , e disponibilizados virtualmente, e que não possuem quaisquer respaldo de Evidências Científicas.

 Muitos destes conteúdos, ao serem implementados na prática clínica de maneira empírica, causam inúmeros desfechos clínicos disfuncionais, que podem causar malefícios aos pacientes, e repercute desfavoravelmente nos profissionais, além de denegrir a imagem social da profissão.

O mundo real tem exigido, de maneira crescente, tomadas de decisão clínica cada vez mais assertivas. Para tanto, com o objetivo de contribuir para tanto, estarão disponibilizados ferramentas da disciplina SOSBE – SAÚDE ORAL E SISTÊMICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS da Odontologia Baseada em Evidências:

. Pirâmide de Evidências de Oxford.

. Espectro de Suscetibilidade.

Percentual Estimado de Reprodutividade da Informação (EPIR).

. PROTOCOLO SOSBE - Saúde Oral e Sistêmica Baseada em Evidências.

 

B. Apresentação das Bases Eletrônicas de ECs para Buscas Ultra-Rápidas de informações Relevantes para Tomada de Decisão Clínica (Webliography).

C. PLAIN LANGUAGE SUMMARY de Revisões Sistemáticas e Metanálises: Trata-se de modelos de divulgação de comunicação em OBE, de conteúdos translacionais, apresentados em linguagem simples, conforme disponibilizadas como resumos estruturados das REVISÕES SISTEMÁTICAS QUANTITATIVAS e META-ANÁLISES publicadas não apenas na COCHRANE LIBRARY / REINO UNIDO, mas também NCCMT / CANADÀ, CAMPBELL COLLABORATION / ESTADOS UNIDOS / NORUEGA, com produção científica de ECs, em diferentes áreas da Odontologia.

Trata-se de um conjunto de recomendações pragmáticas, dotadas de alto grau de reprodutividade conceituais, procedimentais e atitudinais, para auxiliar tomadas de decisões as mais assertivas possíveis, as Boas Práticas Clínicas, algo inédito na Odontologia Nacional.

D. Glóssário de termos técnicos de OBE. Com o objetivo de contribuir para tornar mais compreensível ao clínico, a epistemologia específica desta metodologia, encontrada em REVISÕES SISTEMÁTICAS QUANTITATIVAS e META-ANÁLISES.

 

4. SUGESTÕES DE FUTURAS AÇÕES DA ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS - OBE:

Em havendo a chance de continuidade das ações do GTOBE/CROSP, é possível ainda desenvolver a produção de Conteúdos Adicionais de Evidências Científicas para o CROSP, abordando aspectos práticos de OBE, dentre eles:

A. Treinamento para elaboração de pesquisas pragmáticas a partir das bases eletrônicas de dados, buscar o conhecimento e não se perder na informação científica disponibilizada nas bases, PubMed, EMBASE, CAMPBELL LIBRARY, COCHRANE LIBRARY,NCCMT, RAYYAN, etc.

B. Treinamento sobre análise AD/HOC versus análise POST/HOC por maiores níveis de assertividade intervencional.

C. Atualização para os profissionais sobre a nova percepção sobre o impacto dos aspectos orais sobre a saúde sistêmica na era pós Covid 19, na perspectiva das Evidências Científicas, a partir dos conhecimentos de Neurociências Aplicadas, Saúde Baseada em Evidências e Medicina Interna e Terapêutica onde a Odontologia se insere.

D. Treinamentos para Análise Crítica sobre Diretrizes Clínicas, Protocolos Procedimentais e Recomendações de Assertividade para atendimento odontológico aos pacientes de baixa, média a elevada complexidade sistêmica, como os modelos do NCBI.NLM.NIH.US.GOV; HOPKINSMEDICINE.ORG; SURGICAL SAFETY CHECKLIST WHO.INTERNATIONAL/2023, e o PROTOCOLO SOSBE DE SAÚDE ORAL E SISTÊMICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS / GEPSOS-UNIFESP.

E. Treinamento de Estratégias e Critérios de Prevenção, Mediação de Conflitos de Interesses e Arbitragem na Perspectiva da OBE.

F. OBE possui estreitas implicações com a Medicina Interna e Terapêutica e as Neurociências Aplicadas, para o atendimento às novas demandas clínicas de elevada  complexidade pós-pandemia, com a intencionalidade de abordar o paciente de uma maneira mais assertiva como um ser bio-psico-social, e tem gerado uma onda de demandas adicionais como, manejo da Saúde Mental, Bem Estar e Qualidade de Vida em diferentes “settings odontológicos, tanto dos profissionais da linha de frente, quanto do próprio paciente.

 

 

5. EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO GTOBE/CROSP:

Prof. Dr. Carlos Monson. Cirurgião Dentista. Odontologia Hospitalar, habilitado CROSP. habilitado Hipnose CROSP.  Pós Graduado em Medicina Comportamental/ UNIFESP. Professor do curso de Pós-Graduação em Medicina Comportamental (CEMCO) Dep. Psicobiologia/EPM/UNIFESP.  PhD em Saúde Baseada em Evidências. Departamento de Medicina Interna e Terapêutica EPM/UNIFESP / Nottingham University Reino Unido.  Clinical Scientist Cochrane Collaboration / Nottingham University / United Kingdom. Membro do Núcleo de Coordenação Grupo de Estudos e Pesquisas em Saúde Oral e Sistêmica – GEP SOSBE. Departamento de Dermatologia / Escola Paulista de Medicina / UNIFESP, CROSP 2234 (PRESIDENTE).                                                                                     

Dr. Robson Barbieri. Cirurgião Dentista. CROSP 27941. Presidente da APCD/IPIRANGA gestão 2023/2026. Criador do CENAO (CENTRO DE EVIDÊNCIAS E NEUROCIÊNCIAS APLICADAS À ODONTOLOGIA APCD / IPIRANGA). Assistente de Pesquisa Grupo de Estudos e Pesquisas em Saúde Oral e Sistêmica - GEPSOS/UNIFESP (equipe administrativa). (SECRETÁRIO).

Prof. Dr. Monica Okuhara. Cirurgiã Dentista. CROSP 46256. Pós Graduado em Medicina Comportamental / Departamento Psicobiologia UNIFESP. Ortodontista, habilitada em Laser Aplicada à Odontologia. Mestre Saúde Baseada em Evidências pela UNIFESP. Assistente de pesquisa afiliada Centro Cochrane do Brasil. Doutoranda Saúde Baseada em Evidências/ Departamento de Saúde Baseada em Evidências. Pesquisadora Grupo de Estudos e Pesquisas em Saúde Oral e Sistêmica - GEPSOS/UNIFESP (equipe técnica).

 Dr. José Pereira Feixas Netto. Cirurgião Dentista especialista em Ortodontista.CROSP 5651.

Dra. Maria Cristina Mastrantonio Favero. Cirurgiã Dentista especialista em Odontopediatra. CROSP 5657. Membro da Câmara técnica de Odontopediatria do Crosp . Delegada do Crosp.

                                                                                                                        

…Nunca houve um momento em que a base das evidências clínicas fosse tão forte e acessível.
Por que não aproveitar o máximo? (FLETCHER)

SETEMBRO 2023.                                                                                                                                                                                 


CROSP
Enviar para o WhatsApp

Imprensa

Contatos:

Telefones:
(11) 3549-5550 / (11) 99693-6834